segunda-feira, 15 julho, 2024
InícioDesign da HomeDestaque com FotoFernanda Abra recebe Prêmio Whitley e anuncia a construção de pontes de...

Fernanda Abra recebe Prêmio Whitley e anuncia a construção de pontes de dossel para proteger primatas de Alta Floresta (MT)

A instituição de caridade britânica Whitley Fund for Nature (WFN) está reconhecendo Fernanda Abra, do Brasil, com um Prêmio Whitley por seu trabalho pioneiro na construção e monitoramento de pontes de dossel para passagem de primatas ameaçados de extinção com baixo custo sobre a rodovia BR-174, na floresta amazônica.

Com os recursos oriundos da premiação, a bióloga brasileira planeja escalar pontes de dossel na cidade de Alta Floresta, na Amazônia de Mato Grosso, visando proteger 8 espécies de primatas, cinco delas ameaçados de extinção e que habitam na área urbana e correm riscos de atropelamentos.

Foto: Divulgação FEC

Pesquisadora associada da ONG Brasileira Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), Fernanda planeja promover o uso das pontes de dossel nas rodovias do Brasil. No caso de Alta Floresta, município que abrange os parques estaduais Cristalino I e II, oito espécies de primatas transitam na cidade, das quais cinco estão em perigo especificamente devido à perda de habitat natural, fragmentação e colisões em viários: zogue-zogue-de-Mato Grosso, Macaco-aranha-preto, Mico-de-Schneider, Bugio-ruivo-de-Spix e Bugio-ruivo-do-Purus.

Zogue zogues de Mato Grosso ((Plecturocebus grovesi) – criticamente ameaçado – Foto: Mahal Massavi Evangelista

O Brasil é o país com maior diversidade de macacos do mundo e tem mais de um quinto das espécies ameaçadas de extinção. Duas espécies, o Guigó-da-Caatinga e o Sauim-de-coleira, foram incluídas na lista global dos 25 primatas mais ameaçados do mundo. O zogue-zogue-de-Mato-Grosso e o macaco-aranha-de-cara-branca (Alta Floresta/MT) receberam menção de alerta na lista atualizada.

Foto: Divulgação FEC

Fernanda, que também é pós-doutoranda pelo Zoológico Nacional e Instituto de Biologia de Conservação do Smithsonian, planeja abordar a escassez de pesquisas sobre este assunto no Brasil monitorando sistematicamente o uso da vida selvagem das pontes em uma das poucas iniciativas baseadas em ciência no país que focam nas ameaças das estradas para mamíferos arborícolas. Isso inclui a perda de conectividade na copa das árvores e a mortalidade causada por colisões de veículos.

“Identificamos cinco locais onde as pontes na copa das árvores são imperativas para a reconexão em Alta Floresta. Antes disso, em conjunto com instituições públicas de meio ambiente como a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema/MT – Alta Floresta), Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama – Alta Floresta), Universidade Federal de Mato Grosso – polo Sinop e Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat – polo Alta Floresta, a Fundação Ecológica Cristalino (FEC) e a Fazenda Anacã, fomos mapeando 19 pontos de alto índice de atropelamentos de animais silvestres na área urbana de Alta Floresta”, conta.

Abra disse ainda que pretende treinar mais de 200 pessoas dos órgãos federais de transporte e meio ambiente que trabalham com licenciamento ambiental para rodovias em nove estados da Amazônia brasileira como parte de seu objetivo de estabelecer uma cultura de infraestrutura sustentável.

Quarenta por cento das espécies de primatas estão ameaçadas de extinção no Brasil, com fragmentação de florestas e impactos causados por rodovias entre as principais ameaças que enfrentam. O Brasil possui a quarta maior rede rodoviária do mundo. O presidente Lula revelou no ano passado um programa de gastos de 1 bilião de reais (156 mil milhões de libras) para impulsionar a infraestrutura, que deverá incluir a construção de novas rodovias no país.

Sir David Attenborough, Embaixador da WFN e apoiador de longa data da instituição de caridade, disse que a crescente rede de vencedores representa alguns dos líderes de conservação mais impressionantes do mundo. “Os vencedores do Prêmio Whitley combinam o conhecimento de como responder a crises, mas também trazem consigo comunidades e públicos mais amplos.”

Waimiri-Atroari

A chave para o sucesso do “Projeto Reconnecta” de Fernanda foi conquistar o apoio do povo indígena Waimiri-Atroari, cujos 2,3 milhões de hectares de terra são cortados pela rodovia federal e cujo território é considerado um dos mais bem preservados da Amazônia.

Mais de 150 pessoas Waimiri-Atroari participaram da construção e instalação das pontes na copa das árvores ao longo de um trecho de 125 km da rodovia. Fernanda também colaborou com as agências federais de transporte e meio ambiente do Brasil – o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) – além da Universidade Federal do Amazonas, a UFAM.

Desde que Fernanda e sua equipe construíram 30 pontes artificiais na copa das árvores para restaurar a conectividade da floresta para a vida selvagem em 2022, elas foram usadas por oito espécies arbóreas, sendo o sagui-de-mão-dourada – um importante símbolo cultural para os povos indígenas – o usuário mais frequente.

“O povo Waimiri-Atroari são o coração do projeto. Eles sabem tudo sobre a vida silvestre local. Eles conhecem a ecologia dos animais. Eles conhecem os padrões temporais e espaciais. E isso foi fundamental para nós estabelecermos o projeto Reconnecta aqui.”

No âmbito do Projeto Reconnecta, cada ponte na copa das árvores é monitorada com duas armadilhas fotográficas, registrando o número de animais se aproximando, atravessando ou evitando as pontes. A equipe registrou 500 travessias bem-sucedidas ao longo de um período de 11 meses, um número que se espera aumentar à medida que os mamíferos se acostumem a elas. As pontes foram utilizadas em apenas 30 dias após a instalação, com algumas espécies mostrando preferência por designs específicos de pontes na copa das árvores.

As pontes consistem em cabos de aço, cordas e redes de nylon e são ancoradas por postes de concreto. A equipe de Fernanda usou dois designs: uma ponte horizontal em cruzeta e um único cabo de aço envolto em corda trançada. Ambas as pontes são parte de um experimento para entender qual o design preferido por diferentes espécies. O custo dos materiais utilizados neste projeto foi em média £1.500 por ponte. Com o financiamento do Prêmio Whitley, Fernanda planeja medir o sucesso das pontes em aumentar a conectividade do habitat para espécies arbóreas e reduzir a mortalidade por atropelamento na BR-174, além de expandir o projeto para Alta Floresta, uma cidade fronteiriça localizada no estado de Mato Grosso.

Como parte desse objetivo, Fernanda busca se reunir com a ministra do Meio Ambiente do Brasil, Marina Silva, e Renan Filho, o Ministro dos Transportes, para discutir o potencial de expandir o Projeto Reconecta para outras rodovias na Amazônia e em outros biomas florestais no Brasil.

O Whitley Fund for Nature (WFN)

É uma instituição de caridade do Reino Unido que apoia líderes de conservação de base nos países do Sul Global. Ao longo de 30 anos, ele direcionou £23 milhões para mais de 200 conservacionistas em 80 países.

Um pioneiro no setor, o WFN foi uma das primeiras instituições de caridade a direcionar financiamento diretamente para projetos liderados por nacionais dos países em que atua. Seu rigoroso processo de candidatura identifica indivíduos inspiradores que combinam a ciência mais recente com ação baseada na comunidade.

Os prêmios emblemáticos do WFN – Prêmios Whitley – são apresentados pela Patrona da instituição, a Princesa Anne, alteza real, em uma cerimônia anual prestigiada em Londres, na Royal Geographical Society. Os vencedores recebem financiamento, treinamento e visibilidade, incluindo curtas-metragens narrados pelo Embaixador do WFN, Sir David Attenborough.

A Cerimônia dos Prêmios Whitley de 2024 ocorre nesta quarta-feira, 1º de maio, na Royal Geographical Society e será transmitida ao vivo no YouTube a partir das 20h BST. Os vencedores dos Prêmios Whitley de 2024 são:

• Naomi Longa de Papua Nova Guiné, que está protegendo os recifes de coral na Baía de Kimbe e criando uma rede de áreas marinhas protegidas lideradas por mulheres indígenas locais.
• Dr. Aristide Kamla de Camarões, que está restaurando o habitat do peixe-boi-africano no Lago Ossa, enfrentando ameaças de espécies invasoras e poluição.
• Kuenzang Dorji do Butão, que está protegendo o Langur-dourado-de-gees em perigo e implementando soluções para agricultores cujas plantações são alvo dos primatas.
• Leroy Ignacio da Guiana, que está liderando a expansão de um dos primeiros movimentos de conservação liderados por indígenas do país para proteger o Pintassilgo-de-bico-vermelho em perigo.
• Raju Acharya do Nepal, que está fortalecendo a proteção para corujas no Nepal central depois de liderar um plano de 10 anos apoiado pelo governo para proteger as aves.

Todos os anos, um vencedor anterior do Prêmio Whitley é escolhido para receber o Prêmio Whitley Gold, no valor de £100.000, em reconhecimento à sua contribuição excepcional para a conservação. Além de fazer parte do Painel de Julgamento, o vencedor do Prêmio Whitley Gold também atua como mentor dos vencedores do Prêmio Whitley e como embaixador internacional do sucesso da conservação.

O vencedor do Prêmio Whitley Gold de 2024 é Purnima Devi Barman, da Índia, reconhecida por catalisar um movimento de dezenas de milhares de mulheres em Assam para salvar a cegonha adjutant maior.

• www.whitleyaward.org, Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, LinkedIn

Participe do nosso grupo de Whatsapp

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mais popular

Feito com muito 💜 por go7.com.br
Pular para o conteúdo