Alta Floresta (MT), 13 de dezembro de 2018 - 19:52

Saúde

22/11/2018 05:11 Diário de Cuiabá

Saúde indígena perderá 35 médicos em MT com a saída de cubanos

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) perderá 301 dos seus 372 médicos com o fim da participação cubana no programa Mais Médicos, ou 81% total. Para especialistas, o êxodo repentino colapsará o atendimento ao segmento da população com alguns dos piores índices de saúde do país. 

Mato Grosso será o segundo estado mais afetado, pois possui 35 

médicos cubanos alocados em Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). O Amazonas é o que reúne o maior número (78), seguido por Mato Grosso (35), Pará e Roraima, ambos com 26 cada um. Os cubanos estão espalhados em áreas indígenas por 19 estados. 

"Salvo por algumas terras indígenas relativamente próximas de cidades, nunca se conseguiu superar o vazio assistencial médico, em particular na Amazônia. Tal lacuna só foi parcialmente superada com a implantação do Mais Médicos. Agora, retornaremos ao nível anterior de desassistência", afirma a médica sanitarista e antropóloga Luiza Garnelo, pesquisadora da Fiocruz no Amazonas. 

"O problema é particularmente grave quando sabemos que o perfil de morbimortalidade indígena é um dos piores do país. Para todos os perfis de saúde para os quais dispomos de algum dado, os indicadores encontrados para a população indígena são os piores", afirma a pesquisadora. 

Entre as estatísticas mais graves, Garnelo cita níveis elevados de anemia materna e taxas de mortalidade infantil até 20 vêzes maior do que a de crianças não indígenas. Dados obtidos pela BBC via Lei de Acesso à Informação mostram que 419 crianças indígenas de até 9 anos morreram de desnutrição entre 2008 e o início de 2014. 

O número representa 55% dos óbitos por esse motivo no país durante o período, apesar de os índios serem somente 0,4% da população. A pesquisadora diz que, apesar de a Sesai não disponibilizar dados epidemiológicos, não há dúvidas de que os cubanos tiveram um impacto positivo na saúde indígena, pese problemas de logística e de infraestrutura para o atendimento. 

"Entretanto havia uma resposta do estado no atendimento a esses povos. Agora, por razões que só posso qualificar como fúteis e insensíveis, de um governo que ainda nem assumiu e já provoca tamanho destroço na vida dos cidadãos, ocorre uma saída precipitada e sem qualquer planejamento de tão grande número de profissionais, sem qualquer substituição efetiva à vista."


Novo whats 190Doe313ok

Notícia Exata

Endereço: Rua A-4, nº 412 - Setor A - Centro
Alta Floresta - Mato Grosso
Fone: (66) 9 9912-8992 ou (66) 9 8436-0806
Cep.: 78580-000
contato@noticiaexata.com.br

Redes Sociais

Notícia Exata © 2010 - 2018 - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo