Alta Floresta (MT), 18 de novembro de 2017 - 02:04

Saúde

29/10/2017 06:37 Editoria Notícia Exata com Assessoria

MPF quer saber por que obras de 50 UPAS em 20 estados estão atrasadas, Alta Floresta deve ser alvo

O Ministério Público Federal (MPF) vai atuar de forma coordenada para verificar a situação de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em, pelo menos, 50 cidades brasileiras distribuídas em 20 estados e no Distrito Federal. Relatório do Ministério da Saúde afirma que, apesar de terem recebido financiamento federal para a construção e pleno funcionamento dos estabelecimentos, os municípios não concluíram as obras ou implementaram os serviços de forma satisfatória.

A ação coordenada é uma iniciativa da Câmara de Direitos Sociais e Fiscalização de Atos Administrativos do MPF (1CCR/MPF), por meio do Grupo de Trabalho (GT) Saúde. De acordo com o coordenador do GT, procurador da República Edilson Vitorelli, a ação surgiu para investigar os fatores que contribuíram para o aumento expressivo do número de unidades inacabadas e inativas em diversos municípios. Para ele, o fenômeno se deve à falta de planejamento na execução nacional do programa.


 

No caso das Unidades Básicas de Saúde, os recursos haviam sido transferidos pelo Ministério da Saúde para que fossem adaptadas ao funcionamento das UPAs. No entanto, em muitos casos, o aparelhamento não foi finalizado pelos gestores dos municípios.

“Nem os municípios, nem o governo federal fizeram uma análise aprofundada dos serviços que seriam necessários para o fluxo de atendimento dentro de cada rede de urgência e emergência de cada região. Consequentemente, temos hoje algumas centenas de unidades inconclusas e várias concluídas, mas operando abaixo da capacidade devido ao baixo repasse de custeio disponibilizado pelo governo federal”, alerta Vitorelli.

UPA de Alta Floresta

A UPA de Alta Floresta pode ser uma das monitoradas pelo Ministério Público Federal, uma vez que a obra foi iniciada em 2012 e até o momento não foi concluída pela atual gestão. O valor aplicado na construção da UPA de Alta Floresta é de R$ 1.706.758,05, ao menos é este o montante divulgado na placa colocada no início das obras.

A unidade, que está sendo instalada na perimetral Rogério Silva, terá 1.100 metros quadrados quando concluída, a capacidade de atendimento abrangerá entre 50 a 150 pacientes por dia, segundo o projeto do Ministério da Saúde. A UPA altaflorestense terá consultório, leitos de observação, salas de acolhimento, para gesso, raio-x, nebulização, administrativo, farmácia e esterilização.

A justificativa do executivo para a não conclusão do prédio seria a necessidade de ajustes no projeto de segurança da unidade, exigida pelo Corpo de Bombeiros, a prefeitura tem que promover as adequações e encaminhar novamente ao Corpo de Bombeiros.

A obra da Unidade de Pronto Atendimento-UPA- de Alta Floresta, que começou a ser construída em 14 de maio de 2012, ainda no segundo mandato da ex-prefeita Maria Izaura, deveria ficar pronta num prazo de 240 dias. No entanto, não tem data de quando estará concluída.

Atualmente, encontra-se paralisada. E para ser retomada, precisa da liberação do projeto de Segurança contra Incêndio e de aporte de recurso.

Abrangência – A ação ocorrerá no Distrito Federal e nos estados do Acre, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Financiamento - O diagnóstico realizado pelo GT Saúde aponta a falta de recursos para custeio como uma das mais graves restrições impostas ao funcionamento dos serviços tanto nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) quanto nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

A Portaria nº 342/2013 do Ministério da Saúde estabelece as diretrizes para implantação e ampliação das UPAs, bem como as normas para repasse de verbas. De acordo com a norma, os municípios e estados devem investir 25% cada, enquanto o governo federal complementa o valor restante para a construção de cada UPA.

O custeio do governo federal para as unidades é repassado pelo Ministério da Saúde aos estados, utilizando como base a média de serviços executados em cada município. Entretanto, os valores mensais para manutenção das equipes de saúde são custeados pelo gestor local, tornando a manutenção das unidades onerosa para as prefeituras, segundo levantamento do GT.

Gestores municipais também relataram que devido a dificuldades em manter as equipes, o funcionamento das unidades foi reduzido a 12 horas, o que contraria o protocolo preconizado pelo Ministério da Saúde.

TCU – Em 2015, o Tribunal de Contas da União (TCU) realizou diversas fiscalizações na área da Saúde, incluindo a construção de UPAs e UBSs. As ações foram executadas em dez estados e 43 municípios, em que foram avaliadas a construção de 119 UBSs e 35 UPAs, no valor de, aproximadamente, R$ 137 milhões. Em 95% dos casos, foram constatados atrasos injustificados nas obras e serviços dos locais.

A partir das fiscalizações, o órgão estabeleceu – por meio do Acórdão TCU nº1426/2015 – a possibilidade de que o gestor apresentasse justificativa para o descumprimento do prazo para o início de funcionamento, informando a situação atual da proposta. Nos termos do acórdão, as justificativas deveriam conter plano de ação com cronograma para o cumprimento do prazo para início de funcionamento da UPA ou UBS. Com a medida, os prazos para construção das unidades não podem mais ser prorrogados.

A coordenadora da ação e integrante do GT Saúde, procuradora da República Melina Tostes Haber, avalia que o diagnóstico realizado pelo MPF poderá complementar a fiscalização iniciada pelo TCU. Ela considera que a fiscalização é imprescindível para avaliar a execução dos recursos, bem como a estruturação das Redes de Urgência e Emergência no país: “Em muitos municípios não existe um hospital municipal ou sequer o mínimo de estrutura para receber pacientes de urgência. O que ocorre é a utilização das ambulâncias como unidades de terapia até que se consiga levar o paciente a uma rede estruturada, em cidades maiores, onerando estas gestões”, explica a procuradora.

UPA 24h e UBS - As Unidades de Pronto Atendimento foram idealizadas como estabelecimentos de saúde de complexidade intermediária – entre o posto de saúde e o pronto socorro – para compor uma rede organizada em conjunto com a Atenção Básicas de Saúde e a Rede Hospitalar.

O local funciona 24 horas por dia, sete dias por semana, e é destinado ao atendimento inicial de urgências e emergências, estabilizando o paciente e definindo o encaminhamento adequado, com o intuito de diminuir filas nos prontos-socorros dos hospitais.

Já as Unidades Básicas de Saúde, conhecidas como postos de saúde, são destinadas ao atendimento de pacientes da atenção básica. O objetivo dos postos é atender até 80% dos problemas de saúde da população, sem que haja a necessidade de encaminhamento para outros serviços, como emergências e hospitais.


Novo whats 190Doe313ok

Notícia Exata

Endereço: Rua A-4, nº 412 - Setor A - Centro
Alta Floresta - Mato Grosso
Fone: (66) 9 9912-8992 ou (66) 9 8436-0806
Cep.: 78580-000
contato@noticiaexata.com.br

Redes Sociais

Cotação
Dólar 3,2612
Euro 3,8489
17/11 16:05

Notícia Exata © 2010 - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo