Alta Floresta (MT), 12 de dezembro de 2017 - 11:39

Política

21/09/2017 14:44 Janaiara Soares - Gazeta Digital

Se depender da Assembleia, deputado Gilmar Fabris deixa a cadeia em breve

Mesmo ainda não tendo a prerrogativa de votar pela liberação do deputado Gilmar Fabris (PSD) que foi preso na última semana, boa parte dos parlamentares da Assembleia Legislativa se coloca favorável à liberação do parlamentar acusado de obstrução de Justiça. Dentre os entrevistados pelo Gazeta Digital, apenas o deputado estadual José Domingos Fraga (PSD) afirmou que preferiria não participar da votação uma vez que também foi citado na delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

Até o momento, o Legislativo Estadual se vê impedido de decidir sobre a permanência do deputado no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). “Eu me sinto impedido de votar até porque faço parte desse contexto que o Gilmar Fabris está envolvido, até para não atrapalhar uma possível investigação, isso é um sentimento meu, não sei os outros, cada um tem uma maneira de analisar”, disse Fraga.

Marcus Vaillant

Guilherme Maluf

Primeiro-secretário da Casa de Leis, Guilherme Maluf (PSDB) que também foi citado na delação, afirmou que o Parlamento deve recorrer para conseguir o direito de votar sobre a prisão de Fabris, o que é permitido por lei. O artigo 29 da Constituição Estadual afirma que parlamentares não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável, desde a data da expedição do diploma. O artigo estabelece prazo de 24h para notificação à Assembleia para que, pelo voto secreto e da maioria de seus membros, resolva sobre a prisão.

“Eu sou favorável à liberação do Gilmar, é uma prerrogativa da Assembleia, e acredito que o deputado nesse caso específico não estava fugindo, é muita imaginação pensar em fugir de uma policia federal. Ele é inteligente, não faria isso. O Fux teve um bom senso enorme na decisão dele, então não teria porque uma pessoa fugir”, disse Maluf.

O deputado estadual Wancley Carvalho (PV) que é membro da Comissão de Ética da AL/MT explica que é preciso avaliar os fatos do pedido de prisão. “É preciso saber o motivo da prisão. É importante ter acesso aos autos para se fazer um parecer e não em cima de opiniões. Tem que ser uma decisão técnica. Não podemos condenar alguém sem provas, mas é preciso avaliar bem essa situação”.

O presidente da comissão, deputado estadual Drº Leonardo Albuquerque(PSD) afirma que como um agente público escolhido pela população é preciso ter cautela quanto a condenação precipitada. “É um momento importante e temos que respeitar o que é legal, mas o deputado é um agente público escolhido pela população e tem prerrogativas quanto ao seu cargo. A Assembleia vai buscar meios de saber como pode se portar nessa situação, porque é algo novo para o parlamento”.

Chico Ferreira

Romoaldo Júnior

O deputado Romoaldo Júnior (PMDB) disse que também votaria pela liberação. "Gilmar é um cara experiente e jamais faria isso, não estava se escondendo de ninguém. Meu voto é pela liberação porque como os demais deputados ele tem direito de se defender em liberdade". 

Para justificar o pedido de prisão contra o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), que foi decretado pelo ministro Luiz Fux, a Procuradoria-Geral da República, ainda sob o comando de Rodrigo Janot, informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o parlamentar sabia que era alvo de mandado de busca e apreensão a ser cumprido pela Polícia Federal na manhã da última quinta-feira (14) e fugiu antes da chegada dos agentes.


Novo whats 190Doe313ok

Notícia Exata

Endereço: Rua A-4, nº 412 - Setor A - Centro
Alta Floresta - Mato Grosso
Fone: (66) 9 9912-8992 ou (66) 9 8436-0806
Cep.: 78580-000
contato@noticiaexata.com.br

Redes Sociais

Cotação
Dólar 3,2974
Euro 3,889
11/12 16:05

Notícia Exata © 2010 - Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo